BANDEAU

Pepitas Brasileiras (2016)

Résumé

Dia 1º de janeiro de 2011. Na virada do ano, Leuk e Leão, escritores e etnólogos, recebem um e-mail em forma de desafio: o retrato de pele negra que olha para eles da tela é o de Luzia, reconstituído a partir de um crânio encontrado em terras brasileiras. Uma mulher negroide, no “Novo Mundo”, cerca de treze mil anos atrás?! A surpresa e a excitação logo despertam seu instinto de investigadores: e lá vão eles se lançar em uma viagem de cinco mil quilômetros, de ônibus, Brasil afora e adentro, do Rio de Janeiro a São Luís do Maranhão.

Ágil e rigorosa, a narrativa de sua jornada desvela fascinantes complementos à história oficial, que esquece tantos e tanto: os homens e as mulheres que encontram têm em comum o fato de serem negros, descendentes de pessoas escravizadas; de terem participado, com sua coragem, criatividade e resistência, da construção da(s) identidade(s) e da(s) alma(s) brasileira(s); e de terem ficado na sombra, ou à margem.

Um taumaturgo siciliano (São Benedito), a santa da máscara de flandres (a escrava Anastácia), um boxeador campeão de arte bruta (Arthur Bispo do Rosário), o advogado das quinhentas vitórias (Luís Gama), um escultor de cabeças de açúcar (Caetano Dias), a rainha literária das favelas (Carolina Maria de Jesus), o vencedor da fome (Beato José Lourenço), o dragão dos mares (Francisco José do Nascimento) e o imperador das liberdades (Negro Cosme) são algumas das personalidades excepcionais evocadas por Jean-Yves Loude. Cintilantes pepitas de ouro negro nas águas tantas vezes lamacentas da história brasileira.

Disponibilité : auprès de l’éditeur Autêntica (Belo Horizonte, São Paulo).

Catégories : , ,
Éditeur(s) : Autêntica
- 1170
?> ?> ?> ?> ?> ?> ?> ?> ?>